Qualificação na cadeia produtiva de construção cresce nos últimos anos

Dados divulgados pela Fiesp comprovaram que a cadeia produtiva da construção exige profissionais cada vez mais preparados tecnicamente.
Um estudo elaborado pelo Departamento da Indústria da Construção e Mineração (Deconcic) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) analisou o perfil da mão-de-obra e a evolução da produtividade no setor entre os anos de 2007 e 2018.

Na análise dos números, verifica-se uma tendência de aumento na qualificação dos profissionais do setor. A participação de profissionais com pelo menos o ensino médio concluído passou de 30,0% em setembro de 2007 para 43,2% no 3º trimestre de 2018. A participação de profissionais com ensino superior (completo ou incompleto) apresentou o maior crescimento, passando de 5,4% para 15,9%.

Outro dado que chamou atenção é o aumento da presença feminina no setor. Em 2007, as mulheres ocupavam 9,1% dos postos de trabalho, fatia que passou a ser de 11,7%, em 2018 e que corresponde à entrada de 324 mil mulheres na força de trabalho da cadeia produtiva.

A região Sudeste concentra 47,1% das ocupações da cadeia produtiva, enquanto o Nordeste, em segundo lugar, representa 21,7% do total. No Sudeste também está a maior concentração no volume de obras (44,7%), e é principalmente nesta região que a Sosinil atua, com sua sede em Campinas/SP e filial no estado do Rio de Janeiro.

Acompanhando a evolução do mercado, a Sosinil, que presta inúmeros serviços para a área de construção, conta com equipe preparada e altamente capacitada no fornecimento de soluções em locação de equipamentos e serviços de manutenção industrial. Navegue pelo nosso site para saber mais.

Para ler o estudo completo, clique aqui.

18.04_Qualificação_construção